segunda-feira, 21 de março de 2011

ORIGEM DA AUDITORIA


Com a expansão do mercado e conseqüentemente a sua concorrência, as entidades tiveram que investir cada vez mais para conseguirem se manter no mercado. Uma das formas de investimento foi o aprimoramento dos controles internos, já que estes reduzem custos e tornam o negócio mais competitivo.
A profissão do auditor independente surge então quando as empresas necessitaram de profissionais que não tivessem nenhuma ligação com a mesma, isso ocorreu porque se tornou necessário a captação de recursos de terceiros, assim estas demonstrações teriam que ser analisadas por um profissional sem nenhum elo.
Até hoje, devido o crescimento das empresas, desenvolvimento dos países e a complexidade na administração, a auditoria vem evoluindo, pois precisa acompanhar este mercado para conseguir mostrar o seu papel.
Veja a história da Auditoria no Brasil aqui.

Fonte: Portal de Contabilidade. AUDITORIA - ORIGEM E EVOLUÇÃO. Disponível em: <http://www.portaldecontabilidade.com.br/noticias/1contabil280406.htm>. Acesso em: 13 mar. 2011

Equipe: Camila F. Schmeider, Danielle M. Buzzi e Emanuela Marques

9 comentários:

  1. A auditoria no Brasil surgiu como parte da evolução do sistema capitalista, com a expansão do mercado e o acirramento da concorrência, houve a necessidade de a empresa ampliar suas instalações fabris e administrativas, investir no desenvolvimento tecnológico e aprimorar os controles e procedimentos internos em geral. Porém, a empresa não tinha recursos próprios suficientes para processar toda essa mudança, sendo necessária portanto a captação de recursos junto a terceiros. Para que essa captação de recursos ocorresse, era necessário que os futuros investidores conhecessem a posição patrimonial e financeira, bem como a capacidade de gerar lucros da empresa. Para a confiabilidade das informações, e como medida de segurança as demonstrações contábeis passaram a ser examinadas por um profissional independente da empresa e de reconhecida capacidade técnica. Esse profissional que examina as demonstrações contábeis das empresas e emite uma opnião sobre elas, é o auditor externo ou independente.

    Já o auditor interno, surgiu para atender a administração da empresa que necessitava de uma auditoria mais periódica, com maior grau de profundidade e visando também as outras áreas não relacionadas com a Contabilidade, uma vez que com a expansão dos negócios, a administração da empresa sentiu a necessidade de dar maior ênfase as normas e procedimentos internos, devido ao fato que o administrador não poderia supervisionar pessoalmente todas as atividades.

    ResponderExcluir
  2. Marcia Mensor Lunelli27 de março de 2011 09:58

    No Brasil a primeira regulamentação da profissão contábil ocorreu em 1932, com o surgimento do Decreto nº 20.158, que reformulou os cursos de Contabilidade existentes, provisionando os então “Guarda-Livros” e estabelecendo que doravante apenas os diplomados poderiam exercer a profissão.

    A fase de industrialização no Brasil se deu após o término da Segunda Grande Guerra (meados do século XX), com a vinda de muitas empresas estrangeiras e com elas seus serviços de auditoria.
    Fonte: BASSO, Irani Paulo. Iniciação à auditoria. 3. ed. Ver. Ijuí: Ed. Unijui, 2005.

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante este post. A auditoria tem passado por um processo evolutivo desde seu surgimento até os dias atuais. Dessa forma tornou-se hoje uma ferramenta indispensável, tanto para grandes empresas quanto para pequenas, pois a demanda por informações mais fidedignas tem aumentado, em virtude das boas práticas da governança corporativa.

    ResponderExcluir
  4. Com a grande expansão das entidades, a evolução da globolização, fez com que as entidades adaptassem sua forma de administrar e controlar seus negócios. Assim origina-se a auditoria que pode aprimorar o controle interno, reduzindo os custos e tornando os negócios dessas entidades mais eficientes.

    ResponderExcluir
  5. A partir de 1900, a profissão do auditor tomou maior impulso através do desenvolvimento do capitalismo, tornando-se uma profissão propriamente dita. Em 1934, com a criação da Security and Exchange Comission, nos Estados Unidos, a profissão do auditor criou um novo estímulo, pois as companhias que transacionavam ações na Bolsa de Valores foram obrigadas a utilizar-se dos serviços de auditoria, para dar maior fidedignidade às suas demonstrações financeiras.

    No Brasil, o desenvolvimento da auditoria teve influência de filiais e subsidiárias de firmas estrangeiras; financiamento de empresas brasileiras através de entidades internacionais; crescimento das empresas brasileiras e necessidade de descentralização e diversificação de suas atividades econômicas; evolução do mercado de capitais; criação das normas de auditoria promulgadas pelo BACEN (Banco Central do Brasil) em 1972, e criação da Comissão de Valores Mobiliários e da Lei de Sociedades Anônimas em 1976.

    O trabalho de auditoria deve ser adequadamente planejado e quando executado por contabilistas assistentes, ou seja, pessoal com nível técnico, estes precisam ser convenientemente supervisionados pelo auditor responsável.

    ResponderExcluir
  6. Realmente, concordo com o Leandro em dizer que essa evolução só vem a melhorar nossos métodos de auditar, lembrando das grandes zonas de crescimento que é representado pelos sistemas de informação e suas benesses.

    ResponderExcluir
  7. Layla Beatriz Boos Martins13 de junho de 2011 14:53

    Devido as instalações de multinacionais e outras empresas estrangeiras aqui em nosso país, tivemos que nos adaptar aos procedimentos de auditoria já realizados em outros países, o que qualificou e vem qualificando nossos auditores.

    ResponderExcluir
  8. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA AUDITORIA
    Março 06 2009

    A origem da auditoria foi, em muito, discutida de forma rigorosa pelos especialistas, mas, no entanto, ainda torna-se importante relacioná-la com o início das actividades económicas desenvolvidas pelo homem, conforme retrata Boynton et.al (2002):



    “Auditoria começa em época tão remota quanto à

    contabilidade. Sempre que o avanço da civilização tinha

    implicado que a propriedade de um homem fosse

    confiada, em maior ou menor extensão, a outra, a

    desejabilidade da necessidade de verificação da

    fidelidade do último, tornou-se clara”.



    Assim, constata-se que, desde os primórdios, no antigo Egipto havia a necessidade de se ratificar as actividades praticadas, tais como a verificação dos registros de arrecadação de

    impostos; e inspecções nas contas de funcionários públicos, estas na Grécia (BOYNTON et.al,2002).



    Então percebe-se o porquê que o cargo de auditor foi criado na Inglaterra, em 1314, visto a potência económica desse país desde a época das colonizações, que se tornaria, séculos depois, o berço do capitalismo com a Revolução Industrial.



    A grandeza económica e comercial da Inglaterra e da

    Holanda, em fins do século passado, bem como dos

    Estados Unidos, onde hoje a profissão é mais

    desenvolvida, determinou a evolução da auditoria, como

    consequência do crescimento das empresas, do aumento

    de sua complexidade e do envolvimento do interesse da

    economia popular nos grandes empreendimentos (Crepaldi, 2004: 105).





    Assim, já ao alcançar um maior grau de evolução, a auditoria de empresas começou com a legislação britânica, promulgada durante a Revolução Industrial, em meados do século XIX (Boynton et.al 2002). A partir daí, pode-se elaborar um retrato de todo processo de evolução da auditoria.



    O marco da necessidade de aprimoramento no sistema contabilístico e, por conseguinte, da auditoria, ocorreu em 1929, com a quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, visto que muitas empresas não tinham transparência e consistência nos seus dados financeiros, contribuindo, assim, com a já conhecida crise mundial. Houve, a partir daí, a necessidade de se mitigar as falhas nas divulgações contabilísticas das empresas, tendo como um dos primeiros passos, a criação do Comité May, que atribuía regras para as instituições que tinham as suas acções negociadas em bolsa de valores, tornando-se obrigatória a auditoria independente das demonstrações contabilísticas.



    Desta maneira, com o surgimento dos órgãos supracitados, a auditoria estaria mais do que nunca, se fundido, gradativamente, junto ao desenvolvimento económico mundial para o alcance do status de colaboradora para a continuidade das empresas, contribuindo directamente no aprimoramento do processo de governação corporativa, amenizando, assim, sua aparência histórica de somente gerar custos para a entidade.



    Fonte:
    MARCELA SOARES PACHECO
    Universidade de São Paulo
    marcela.sp@terra.com.br

    DENIS RENATO DE OLIVEIRA
    Universidade de São Paulo
    denis.oliveira@usp.br

    FABRÍCIO LA GAMBA
    Universidade de São Paulo
    fabriciogamba@terra.com.br

    ResponderExcluir
  9. A auditoria contábil nasceu da necessidade de confirmar a realidade econômico-financeira espelhada no patrimônio da empresa. E cada vez mais, a auditoria vem mostrando sua importância, principalmente nas grandes organizações, onde as informações são inúmeras e os usuários da contabilidade necessitam de informações confiáveis.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião, dúvida ou segestão sobre o tema abordado!